sábado, 24 de janeiro de 2015

Os valores culturais impostos á mulher

Passei o dia todo fora de casa e acabei chegando cansado, sem muita inspiração para escrever,
Mesmo assim farei um esforço para comentar algo que acho abominável... Valores culturais.
Os valores culturais que o povo português impõe à mulher são absurdos, e o pior é que ela leva isso em consideração como se fossem regras.
E não é tudo.
O homem que é abandonado pela mulher, acaba matando-a assim como no tempo da ditadura militar portuguesa.
Mulheres não são tratadas com respeito, algumas possuem maridos alcoólicos que as maltratam todos os dias, são desconfiados e muitos deles até batem.
Há uns dias quando fui a uma reunião da escola da minha irmã, ouvi um comentário de um idiota que disse algo do tipo:
- Eu não vou dar autorização para a minha filha sair da escola, se já parece mal a um homem sair embriagado de um bar, imagina uma mulher.
O que há de diferente em uma mulher, que a faça se destacar pior que um homem, por causa de se querer divertir com as amigas em um bar, bebendo umas cervejas ou uns shots?
Eu imagino que não haverão respostas muito sólidas para esta pergunta, ou melhor, eu não imagino, eu afirmo.
È só o fato de ela ser uma mulher.
Durante anos, a mulher foi submetida á vontade do homem sem que ninguém fornecesse uma argumentação sólida de que o certo é que ela o faça.
Apenas impuseram.
Ainda ontem, um ser, veio falar nos comentários que achava idiota eu questionar o porquê de deus ter colocado a homossexualidade como uma abominação.
Ele não falou dessa forma, mas foi como se falasse.
Assim como no caso da mulher, deus também colocou que ela deve ser submissa ao homem, para sempre, e o homem poderia ter mais 3 ou 4 mulheres ao mesmo tempo.
Passou ao cristianismo, mas não mudou grande coisa, ela foi obrigada novamente a ser submissa ao homem para sempre, a única coisa que mudou é que, no cristianismo o homem já não pode ter mais que uma mulher.
Como se pode explicar a falta de direitos das mulheres, de forma sólida, a violência doméstica entre outros atentados contra os direitos das mulheres?

sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

Discurso de ódio no blog ''o Homossexualismo''

Foi muito bom eu ter lido o texto '' A verdade, as mentiras e o homossexualismo'' (acho que me convenceu a tornar-me homofóbico'')
Considero esse blog, um circo...
Que quiser passar por lá para se divertir, pode-o fazer... È de graça.
E primeiro lugar, começaram por falar a mesma piada de sempre:
- A biblia reprime a homossexualidade e é clara mesmo sem que Deus tenha expressado em argumento o porquê de a homossexualidade ser um pecado.
E por isso decidi refutar por aqui.
Na biblia, deus diz que não devemos roubar, só não diz o porquê.
Ele podia nos ter feito colocar no lugar do outro imaginando o quanto ele sofreria se fosse roubado por nós, mas nem isso soube fazer.
E com a homossexualidade fez o mesmo...
Homossexualidade é errado porque deus diz e nada mais do que isso, deus não tem de explicar o porquê de a homossexualidade ser pecado. Acha mesmo que tem?
Ele salvou-nos da escravidão do egipto e agora temos nós o direito de lhe perguntar porquê que a homossexualidade é pecado?
Deus nunca nos disse porquê que a homossexualidade é pecado, apenas nos disse que é.
Caso ele coloca-se na biblia que devemos comer a merda que defecamos, nós também teríamos de fazer tal coisa e brutalizar, seja verbalmente ou fisicamente, aqueles que não a comem.
È nessa porcaria que devemos acreditar?
E logo depois coloca testemunhos de idiotas que ''Dizem'' ter sido homossexuais e ter deixado de o ser.
Que nojento.
Provavelmente, esses idiotas decidiram voltar a fingir serem heterossexuais para parecer bem ou então quiseram ganhar alguma coisa em afirmar a sua desistência da homossexualidade.
Não terão sido pagos para isso?
As bocas não provam, mesmo que sejam muitas.
Peço ao blog o homossexualismo que argumente contra mim e talvez eu me torne um ativista homofóbico como o escritor do blog.

Homossexualidade é questão de pensamento?

Nestes últimos dias que se passaram, eu não consegui conter a minha indignação ao ler vários textos e frases na internet, ridicularizando a homossexualidade.
Como um ser racional que sou, considero a sociedade em que vivo, uma sociedade desprezível, cheia de criaturas imaturas que criam páginas no facebook contra a homossexualidade, só para poder chegar na escola e falar para os amigos:
Ei! A minha página contra homossexuais já tem 400 likes.
Outros, provavelmente, vivem obcecados em fingir heterossexualidade quer acabam por se mascarar de preconceitos para que consigam passar por despercebidos.
E quanta pena eu tenho desses, ou melhor, quanto desprezo.
São seres inúteis, medricas, desprovidos de auto-respeito, que devia ter vergonha de renegar a sua própria condição.
Mas o que é mesmo de rir, de rir até chorar, é a falta de criatividade desta gente da internet, que precisa copiar frases de outros idiotas para conseguir ''Provar'' que homossexualidade, na verdade, é uma ideologia.
Eu nunca usei argumentos de ninguém para TENTAR MOSTRAR o contrário.
Sempre fiz um esforço mental para conseguir criar os meus próprios argumentos, embora a minha mente Hiperativa e desatenta não consiga ser rápida a criá-los.
Melhor ser lenta, do que não ser.
Óbvio que se eu fosse triste e vergonhoso ao ponto de defender uma crença na qual nem eu acredito, também usaria frases copiadas de páginas do facebook, criadas por putos de 11 anos, para colocar no meu blog e disser:
-Olha aqui a PROVA de que homossexualidade é uma opção que o individuo tomou.
Ei! Não se esqueça de colocar like, ok?
Na minha humilde opinião, prefiro um pequeno público, mas honesto e inteligente, do que grande público de idiotas.
Até hoje, nunca vi nenhum livro na internet ou nas livrarias a apelar pela conversão de heterossexualidade.
Sei que um homossexual, não seria tão idiota ao ponto de pensar que pode converter um hetero a homo, isso seria o cúmulo da idiotice, ou um dos cúmulos.
Também não sou capaz de imaginar alguém a tomar a opção de de ser homossexual através do raciocinio próprio.
Desculpem, mas não dá para eu me colocar no lugar de alguém que toma uma decisão dessas e olhem que eu sou muito bom a colocar-me no lugar de todas as pessoas.
Poderia sim, de repente, me tornar um social democrata, por me ter identificado com o pensamento económico de tal ideologia politica, ou talvez até, sei lá, tornar-me um anarquista, por ter lido um livro de pierre-joseph-proudhon e ter concluído através dele que a propriedade é um direito natural de todo o ser humano.
Mas, que argumento lógico levaria um heterossexual a gostar de homens?
È que, uma vez que possuo uma mente dotada de raciocinio, assim como todos os restantes seres humanos (ou talvez não), não e vem nenhum pensamento à cabeça, que possa convencer um heterossexual a tornar-se homo.
Pode sim, a experimentação, levar um heterossexual a tornar-se bissexual, mas argumento... Jamais... Fora de questão.
Mas deixa-me imaginar um pouco:
- Ai! Quero praticar sexo com homens porque, estou farto  da monotonia de praticar com mulheres.
-Quero praticar sexo com homens porque favorece a economia.

Ei! Idiotas.
Homossexualidade é comportamento?
Então digam-me que argumentos levaram a pessoa a pensar em se tornar homossexual e coloque nos comentários, já que, a minha mente imaginativa não consegue ver nenhum.
INVESTIGUE ISSO!

Ageu magalhães fala de Daniela Mercury

Hoje, acordei de manhã, melancólico, à procura de algo novo para fazer, portanto, dirigi-me para o computador, liguei a internet e procurei algo para refutar.
Encontrei um artigo do blog bereianos, escrito por Ageu Magalhães.
''Daniela Mercury obrigado...''´
Achei interessante que outro palhaço da midia tenha usado o casamento de uma mulher homossexual que ''foi'' ''heterossexual'' durante vários anos para ''comprovar'' que homossexualidade é opção.
Sabe qual é o significado da palavra ''comprovar''?
Então, como trabalho de casa, eu lhe mando procurar no dicionário.
Se Daniela Mercury nasceu homossexual, porque insistiu tanto na heterossexualidade, vivendo durante 15 homens?
Em primeiro lugar, deixem-me comentar o quando acho obsessivo o comportamento dos pastores evangélicos, em querer ridicularizar a homossexualidade.
Acho doentio... E mesmo que homossexualidade fosse comportamento, eu preferia antes ilegalizar esse comportamento obsessivo dos pastores evangélicos do que a homossexualidade, já que o comportamento dos pastores é mesmo ridículo.... È palhaçada autêntica.
Ok, agora vamos ao assunto da homossexualidade de Daniela Mercury.
Teria Daniela Mercury, agido contra sua própria natureza, violentando os seus desejos homossexuais e submetendo-se a uma união infeliz?
Óbvio.
Ela provavelmente se casou com homens gays, daqueles que tomavam viagra para ficar com tesão e colocavam vaselina na pila, enquanto que ela fazia um esforço para ter os filhos e passar por despercebida nesta sociedade machista e homofóbica.
Nós usamos máscaras a toda a hora para esconder a nossa verdadeira cara, assim como você pastor ageu, que vive falando em verdade, mas conta uma mentira para todos nós.
Se a sociedade acha que a minha cara é nojenta, diabólica e digna de ser queimada na fogueira da inquisição, julga que eu não me submeteria a casar-me com uma mulher que não gosto e a violentar os meus verdadeiros desejos?
Òbvio que sim.
Eu nasci com um medo inferior ao da maior parte e sendo assim, não consegui ser conformista.
E é claro... Com respeito próprio. O pastor Ageu sabe o que isso é?
È óbvio que é nojento ter relações sexuais com alguém, por quem não sentimos atracção, mas se nós precisar-mos fazer isso para sobreviver, nós o faremos.
Eu não acho que preciso disso, só que algumas pessoas possuem dentro de seus cérebros, uma definição errada da palavra sobrevivência, não é?
Ela casou-se, teve filhos e nunca mais teve relações sexuais com o marido.
Enquanto os dois viviam juntos para manter a máscara, ás escondidas iam viver as suas paixões.

Se você não é gay nem lésbica, então não faz ideia da quantidade de pessoas que faz isso.
Algum argumento contra ou vão apenas criticar os meus erros ortográficos?

Ageu Magalhães espero refutação

quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

Homossexualidade é comportamento, devemos legalizar comportamento?

Homossexualidade é comportamento… Devemos legalizar comportamento?
Aqui há algum tempo, silas malafaia deu uma entrevista não sei aonde a dizer que homossexualidade é comportamento, que não é nenhuma escolha do individuo e que não deve ser legal.
Foi mais ou menos isto que ele disse, embora não tenha sido bem assim.
Ao ver a conversa que ele tipo fiquei indignado e com vontade de falar alguma coisa acerca desse assunto, já que o considero repugnante.
O que silas malafaia afirma é que, homossexualidade é um comportamento, mas tanto ele como muitos outros idiotas como ele, esqueceram-se de fornecer os argumentos que moldaram as suas crenças.
Ele simplesmente afirmou.
As coisas são assim porque eu acho que são assim.
È desta forma que silas malafaia justifica a sua crença ridícula de que homossexualidade é um comportamento.
Na maioria das vezes em que eu não uso argumentos para justificar as minhas convicções, eu estou a contar uma mentira na qual não acredito ou, em breve deixarei de acreditar.
Sendo assim, eu deduzo que ele não acredita no que está a dizer, caso contrário, ele diria o porquê de acreditar em tamanha idiotice.
Então é assim?
A sociedade sai por aí a dizer que homossexualidade é comportamento, mas explicar o porquê de acreditar nisso, deixa para lá?
Inútil.
Eu também vou dizer que devíamos cortar todas as árvores que existem no mundo só porque palpito que seja algo de devamos fazer… Vocês vão fazê-lo? Vão acreditar em tamanha estupidez intelectual?
A homossexualidade existe entre animais, sendo assim não vejo que seja um comportamento, já que os animais se seguem por instinto (ou quase).
Mas vem outro idiota que refuta, dizendo que a pedofilia também é comum entre animais.
Se homossexualidade não é opção, pedofilia também não é opção. Devemos permitir isso?
O pirulla já refutou o argumento do malafaia da mesma forma que eu, mesmo assim eu vou fazer o mesmo e tentar ser mais convincente.
Já viram os argumentos que a sociedade usa para justificar a sua ‘’’’’homofobia’’’’ ?
Eles não são lógicos, não são originais, são sempre copiados de alguma pessoa que fez os possíveis para ser mais calculista ao argumentar, dá-se conta que a sociedade definitivamente, não acredita que a homossexualidade é escolha, caso contrário, em vez de copiar um argumento ou criar frases imaturas, criariam um argumento mais sólido, respondendo a todos os porquês que espera receber.
Gente… A pedofilia traz prejuízo social, emocional e só não vou falar racional porque não sou nenhum competente de saúde nem nunca fiz nenhuma investigação sobre isso.
Ao contrário do homossexual, a moça, vitima de pedofilia, foi obrigada a submeter-se a isso.
Ela pode vir a sofrer síndrome de pânico por causa disso e até mesmo a cometer suicídio.
Vamos continuar a comparar pedofilia a homossexualidade ou vamos ser um pouco mais racionais (ou originais, se não der para ser racional) e criar um argumento mais fácil de acreditar do que este?
Pedofilia causa prejuízo á sociedade, como eu já disse, mas homossexualidade não.
Duas pessoas do mesmo sexo, decidiram amar-se uma á outra de livre e espontânea vontade, vocês acham que isso deve ser reprimido?
È amor… Mesmo que seja entre pessoas do mesmo sexo, continua a ser amor.

Comportamento deve ser legalizado?

Mesmo que homossexualidade fosse um comportamento, coisa que eu definitivamente não acredito, se não causa prejuízo á sociedade, porque ilegalizar?
Eu possuo comportamento esquivo, ou seja, não falo com as pessoas á minha volta.
Espero que sejam elas a tomar a iniciativa de falar comigo.
Também me afasto das pessoas porque as acho uma cambada de chatos , odeio monotonia e se eu tiver de tomar café com amigos durante 1 mês, não o farei.
È certo ilegalizar o meu comportamento?
Baixa tolerância á monotonia não causa prejuízo para a sociedade, não causa prejuízo emocional.
Se você concorda com a liberdade de eu possuir um comportamento solitário e anti-monotonia e vê a homossexualidade como comportamento, então pense desta forma:
- Causa prejuízo á sociedade? Não… Então que seja livre, que seja aceite.
Vocês, provavelmente argumentarão algo do tipo:
Você possui comportamento pouco monótono, você deve trata-lo e sendo assim se homossexualidade é um comportamento , o individuo com tal comportamento, deve trata-lo.
Eu, para impedir que você transforme o mundo argumentista em um circo maior do que já é, vou refutar esse argumento muito antes que você se torne a próxima piada.
Eu trato o meu comportamento se eu tiver vontade de o fazer, se eu não tiver vontade de o fazer, não o trato já que eu não estou a fazer mal a ninguém.
Se homossexualidade fosse um comportamento, uma vez que não traz problemas para ninguém, não tem nada de se tratar.
Não existe tratamento homossexual, não existe necessidade de tratar homossexual, não existe nenhum comportamento com o nome de homossexualidade e se existiu, os argumentos que o moldavam eram tão bons que não foram aceites.
Gay e lésbica são humanos.




A grandeza da mulher do século 21

Dou graças a deus por ter nascido no século 21.
Embora ainda exista muita gente que se queixa dos valores culturais deste século e com um fundo de razão em seus argumentos, nos séculos e milênios passados, tanto o estatuto de um homem como o de uma mulher, foram vergonhosos.
Mulheres masoquistas, que aceitavam ser espancadas pelos homens, julgando ser isso uma atitude amorosa.
A mulher definiu o respeito da pior forma.
Para ela o respeito consistia em reprimir as suas próprias vontades e desejos para se submeter á vontade do homem.
Por muito que a sua opinião fosse diferente, ela, para agradar o homem sem escrúpulos, que a tratava da pior forma, não manifestava a sua opinião mesmo acreditando na sua veracidade.
Nasci em um século quase perfeito, vi cenários espetaculares de mulheres a arranharem-se umas ás outras e até mesmo ao soco, mulheres a manifestarem-se em frente ás câmaras.
Mulheres tipo keny arkana, a cantar hip hop politicamente incorreto sem receio de ouvir algum homem dizer que o lugar delas é na cozinha.
As mulheres do século 21 possuem heroísmo dentro delas, mas poucas, muito poucas, se sentem capazes de o manifestar, sair á rua e mostrar que também pertencem a este mundo e o merecem tanto ou mais que nós.
Embora eu seja um homem, não posso falar bem apenas da minha condição, sou fiel a mim mesmo e afirmo sem receio que considero a mulher do século 21, alguém que tem muito para mostrar á sociedade.
Faz algum tempo que vi a minha prima revoltar-se contra a mãe por ela ter dito:
- A cadeira que está aqui é para esta gente.
Ela perguntou-lhe com indignação se não era gente como os outros.
Tais palavras fizeram-me lembrar a i quando tinha a mesa idade que ela e não compreendia as crenças das pessoas á minha volta.
Refutava tudo, praticamente tudo o que as pessoas exigiam de mim eu refutava se pensar e consequência alguma.
Cresci a fazê-lo e ainda hoje o faço.
Ainda se manifesta dentro de mim o desejo de, enquanto vivo, assistir a mulher a deter o poder, a tornar-se no que deseja ser sem dar explicação a ninguém.
Não há nada mais bonito para mim do que uma mulher que demonstra rebeldia.
Isso não é desprezível como, durante todos estes anos, certos homens afirmaram.
Em nome da sua dignidade, a mulher deve vingar:
Deve fazer o que muitas outras quiseram fazer, mas foram impedidas, por serem consideradas incapazes para tais cargos.
Mas elas não eram, nem são.
A mulher do século 21 apenas necessita de uma fórmula que lhe traga auto-confiança para praticar o que gosta, e ter respeito próprio, pois teorizar o respeito próprio não significa nada se ele não for posto em prática.
A mulher tem capacidade e força dentro dela, escondidas.
È um sentimento de capacidade que ela precisa encontrar e assim que o fizer conseguirá pÔr em prática aquilo que ela julgava ser impossível.
Eu vou dar um exemplo e talvez isso funcione:
Eu sempre fui um miúdo extremamente introvertido, pouco capaz de conversar com as pessoas á minha volta, não sabia o que elas iriam gostar que eu conversasse com elas.
Então, eu tomava anfetaminas para me extroverter e também para sentir empatia pelas outras pessoas (a longo prazo).
Eu julgava não possuir habilidade para falar com as pessoas que passava por mim, só que quando as tomava eu conseguia falar sem receios.
As anfetaminas não induzem capacidade de falar com as pessoas, elas induzem crença de capacidade e a partir do momento em que essa crença é induzida, a pessoa é capaz de fazer qualquer coisa.
Tudo é uma questão de crença.
Só porque tu acreditas que não és capaz, isso não significa que não o sejas.
Assim como eu acreditava   que não era capaz de falar com as pessoas á minha volta e quando tomava anfetaminas conseguia, ou seja, quando eu acreditava que era capaz, se você acreditar que é capaz também consegue….

Motivos para se assumir como homossexual

Vou dizer coisas que muita gente não vai gostar de ouvir, só que não consigo reprimir a minha vontade de dizer aquilo que penso, é um ideal ao qual sempre me mantive fiel, ou pelo menos quase sempre.
È muito importante que digamos sempre o que pensamos, mas pouca gente faz isso e aqueles que mostram fazê-lo, na verdade, mentem.
Nunca tive receio de o dizer, por muita empatia que eu sinta pelas pessoas, eu vou ter as palavras na fronteira entre o lado de dentro e o lado de fora da boca, muito mais para o lado de fora do que para o lado de dentro.
Vou magoar as pessoas, mas preciso dizê-lo, caso contrário, logo á noite vou ficar de ressaca moral por não o ter dito.
Para mim, não dizer o que penso e o que sou mesmo querendo fazê-lo, é uma falta de respeito próprio e eu considero isso algo desprezível.
Eu respeito e aceito a opinião contrária, mesmo repudiando-a na totalidade, portanto, é um direito meu que, tal como eu aceito a opinião dos demais, também os demais aceitem a minha.
Não vou ser juíz, não vou afirmar que estou certíssimo em relação a tudo o que penso, mas é isto que penso e até agora muita gente tentou afastar-me deste tipo de raciocínio, só que ninguém conseguiu.
Todos nós possuímos um modo diferente de pensar, teorizamos certos ideais, mas eles não são postos em prática.
Para além do meu ideal de dizer tudo o que penso, faço e sou sem receio de ser rejeitado ou criticado por isso, não obedecer a qualquer ordem que me imponham em vez de um pedido, existe em mim também, o ideal de sinceridade e fidelidade ao que penso e sou.
Não sou fâ de teatro, embora o saiba fazer melhor do que muita gente.
Não acho que isso seja sempre necessário na minha vida… Porque fazê-lo?
Por medo de não ser aceite em sociedade?
Morri por causa de não ser aceite?
Aceitação ou rejeição, são coisas que nunca me interessaram…. Não preciso de ser aceite em sociedade para ser feliz, eu sou o meu melhor companheiro, talvez um narcisista. Chamem-lhe o que quiserem.
Eu gosto das pessoas, só que o meu jeito de gostar é muito diferente do que o jeito que elas espera de mim.
Não me submeto a acreditar, nem mesmo a fingir acreditar no quer que seja só para conseguir a amizade de alguém, digo sempre á minha irmã o quanto odeio que ela use maquilhagem, porque para mim é uma coisa que eu não consigo ver na mulher.
Sou como Napoleão Bonaparte.
Nunca vi sentido em parecer bem á sociedade e sei que a maior parte das mulheres também não vêm, mas mesmo assim fazem-no.
Não vou falar de fidelidade aos ideais com a mulher de hoje em dia, uma vez que eu também não tenho muita moral para julga-la nesse aspeto, mas sim de dignidade.
Se elas não gostam de vestir aquela roupa apertada e usar a maquilhagem extremamente carregada, ou melhor, de usar maquilhagem, então porque o fazem?
Falta de respeito próprio.
Elas teorizam o respeito próprio de uma forma que eu considero quase perfeita, mas, que sentido faz a teoria?
E a submissão? Elas não querem submeter-se, coisa que a mulher dos tempos antigos parecia adorar fazer, mas mesmo assim, continuam a humilhar-se.
Algo muito bonito de se ver não é? Ou será vergonhoso?
Elas podem ter a amizade de muita gente, mas nunca terão a admiração e no meu pensamento, amizade sem admiração não é amizade.
Não admiro mulheres que tenham uma atitude dessas.
Não são dignas de admiração, são dignas de desprezo.
Cada um de nós tem o direito e o dever de sentir aquilo que bem entender por essas mulheres assim como eu tenho direito a sentir desprezo.
Uma amiga minha disse-me que admirava a minha coragem.
Eu respondi mais ou menos desta forma:
-Eu também admiro a tua, só que ainda não a vi.
Que sentido tem admirar a coragem dos outros, se relutamos em manifestar a coragem existe escondida dentro de cada um de nós e apela que façamos o impossível uma vez que somos capazes de o fazer?
Continuaremos a desejar ser como os outros quando nós mesmos somos capazes de ser muito mais do que eles?
A mulher do século 21 demonstra possuir uma falta de auto confiança exagerada e irracional.
Ela não consegue enxergar para além da fronteira, ou seja, para além das poucas capacidades que ela tem para mostrar a si própria, mas ela possui muito mais capacidades para além das que enxerga.
Já o homem homossexual não gosta de mentiras, não gosta de repressões entre muitas outras coisas.
Gosta de ser fiel aos seus ideais, mas não o é.
Alguns são tão abomináveis ao ponto de dizer que são fieis os seus ideais de sinceridade, mas se eu lhes perguntar qual a sua sexualidade, eles dirão que são heterossexuais.
Sendo assim, uma vez que o medo é maior que a sinceridade, então retire a sinceridade do seu bio dicionário.
Vocês não são sinceros, e um número infinito de verdades que vocês tenham contado, não vão reparar a enorme mentira que contam neste momento.
Sinceridade não é dizer apenas aquilo que não traz consequências, é dizer praticamente tudo.
Tudo o que tu sentes, tudo o que fazes, tudo o que tu pensas e principalmente, tudo o que tu és.